Náusea

O que aqui vai de fedor
A porco imundo,
Qu’ele aqui anda, furibundo,
Como delator…

A ver s’encontra
Uma ponta solta,
Uma nota oculta
Pr’a levar em conta!

E nisso denunciar
Num provérbio anónimo,
Todo este binómio
Qu’and’a chafurdar!

O porco está nervoso
C’a sua vida,
Qu’ela está contida
Em rasto culposo!

Por isso chafurda
No seu ronco abjecto,
Qu’ainda está coberto
De razão qu’o acuda!

Quer denunciar,
Esse reco fedorento,
E aqui vem ao tempo
Pr’a me culpar!

Quer fazer sangue
O porco tão porco,
Qu’o que tem é pouco
Na forma de gangue!

E quer-se inocente
O porco qu’aqui prerscruta,
Na sua triste labuta
De ser “diligente”…

Vai mandar missiva
O porco mais vivo,
Qu’até tem um arquivo
D’escriba!

Ronca como lê
O poema em prosa,
E o porco faz glosa
Daquilo que crê!

É um porco sério
No seu escrito anónimo,
Qu’até faz um acrónimo
De tanto mistério…

“P.O.R.C.O:
O poema é pra ti!!!
Porque ele se ri
De tudo um pouco…”

Tão inteligente
Qu’é o porco-voador,
Qu’ainda lhe cresce um adutor
No seu cérebro tangente!

E de “cérebro crescido”
Já escreve a missiva,
De palavra viva
Em prosa d’arquivo!

Só não s’identifica,
O porco anónimo,
Porque na falta de neurónio,
Tem a pose altiva!

É tão garboso
O nosso porco-sujo,
Que mesmo sendo obtuso
A pose é de nojo!

E por aqui anda
O nosso porco “à coca”,
Pr’a ver o que lhe toca
Na próxima demanda!

Aqui tens o poema,
Ó meu porco-seboso,
E adianta-te um grosso
Denunciares-me a pena!

Vá, vai lá chorar
Junto dos teus amigos,
Que porcos, são compreensivos
No que vais denunciar…

E se já eras ignóbil,
Também és delator,
O que par’o porco-voador
É o grande móbil!

Acabou-se a festa
Pr’o porco-voador,
E quer ser o provocador
No que lhe resta…

Quer mandar-me às feras
Na sua denúncia,
Já que da pronúncia
Terá quimeras…

O porco-voador
É tão bom escrevente,
Que por “inteligente”
Se tem delator…

Tem tod’as qualidades
Do ser-se churdo,
Entra aqui mudo e surdo,
Mas (depois) guincha “factualidades”!

Quer ver-me linchado
Na opinião dos demais,
E rasura cartas florais
Como bom iletrado!

Quer-se inteligente o reco,
Mas cobarde, de focinho anónimo,
Que s’o porco fosse homónimo
Er’a encarnação do esperto:

O homem de “neenderthal”
Na evolução de milhões d’eras,
Fugindo das grandes feras
Para aqui morrer sem ideal…

Joker

Writing About Pigs T7 500

Anúncios

Posted on 24 de Março de 2017, in Palhaçadas. Bookmark the permalink. Deixe um comentário.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s