O “putedo” e o “Mexicano”

Primero mand’a pedra
E depois escond’a mão,
E escreve com grande coração
A regra:

É contr’a empresa
E não contr’os “empresários”,
Porqu’os erros, primários,
São de gente ilesa!?

E depois advoga
Com grande grandiloquência,
Pela abstinência
Em voga!

Não há responsabilidade
Entr’os “empresários”,
Porque ele são necessários
À produtividade!

E depois da pedrada
Em cheio,
No telhado alheio,
Já se diz regrada!?

Já não manda calhaus
Mas só pedregulhos,
E ainda faz entulhos
Pr’a subir degraus…

É a moralista
Da caça às bruxas,
Pr’a subir às custas
De gente já vista!

E s’uma varina
Já prega sozinha,
Vai outra, de mansinha,
C’o varão de cozinha!

É outra aluada
De par c’o cretino,
A tentar o “assassínio”
De quem não fez nada…

E bast’a sua voz
De varina aluada,
Pr’a se ter acabada
Na pinta de algoz!

Gente sem estrutura
Que não sej’a maledicência,
Com falta de coerência
E de fraca cultura…

E ainda os vou ver
A fugir-me ao olhar,
Quando se der o azar
D’isso acontecer…

Vai ser o bonito
Ali verem o “maluco”,
E passarem do insulto
Ao cumprimento aflito…

Estão muito preocupados
C’o mensageiro, não c’a mensagem,
Como s’isso lhes desse coragem
Pr’a arranjarem culpados!?

O conteúdo não interessa,
Nem a relevância cronológica,
Que pr’a eles, a maior lógica,
É a quem isso s’arremessa!

Estão tão errados
Ao baterem-me à porta,
C’o calhau bateu na horta
Dos despontuados!

Quanto ao mais,
Podem fazer de mim culpado,
Que posso bem c’o esse dado
E com outros iguais!

Tenho as costas largas,
E a “varinagem” pr’a mim é “putedo”,
E tanto se me dá tarde ou cedo,
Virão as pagas!

Se pensam que cai em roto saco
Façam com’o “Mexicano”,
Mudem de plano
E inventem outro acto!

Façam de conta
Que foi um vírus informático,
Ou qu’um hacker fanático
Vos roubou a montra!

E que não falaram por vós
Mas apenas por ele próprio,
Qu’o “Mexicano” merece um tópico
Sobre todos nós…

De como ele então
Se fazia santa,
E produzia o qu’agora espanta
A voz da razão!?

Quando então lá publicava
A vivência de tal gente,
E agora é tão inocente
Que cava

Também naquela altura
Tinha um vírus no PC,
E um hacker, que se crê,
De pouca dura…

Se continuar a intrigar,
Pode ser que tudo se saiba,
E qu’um feijão não lhe caiba
Ao entrar…

E assim lá se descobre
Quem é que disto faz segredo,
E se há razão pr’a ter medo
No que s’encobre…

Se pens’o “Mexicano”
Que, com intriga e falsidade,
Se dá a moralidade,
É engano…

Não puxem demais por mim
Que não estou pr’a palhaçadas,
E se receber mais pedradas,
Tal se saberá, por fim…

Joker

19957033_10209999909410741_5328149712300674298_o.jpg

 

Anúncios

Posted on 10 de Julho de 2017, in Palhaçadas. Bookmark the permalink. Deixe um comentário.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s