Monumentos

Queriam um país-exemplo
Com tal nível d’educação,
Onde serve a corrupção
Como um monumento?

Uma estela, um altar,
Ao nível do nosso povo!
Qu’inculto se quer de novo
A navegar?

Ergamos-lhe um obelisco,
Ou um arco do triunfo!!
Qu’este povo é um prenúncio
Que não passa disto!!

Se nem se governa
Ou se deixa governar,
Nele só pode ganhar
Quem lhe pass’a perna!!

Esperto é o qu’enriquece
No sistema mais corrupto,
Porque dele é o saber mais culto
Que nunca s’esquece!!

Um povo com esta dimensão,
Virado par’o atlântico,
Só podia ser tirânico
Na sua solução!!

O saudosismo é apanágio
Dum povo qu’é salazarento,
Porque só ele deu sentimento
Ao nosso naufrágio!!

Soldado desconhecido
Que morreste em tanta guerra,
Olh’ó país que descerra
A placa do teu jazigo!!?

O exemplo do Português
Lá fora como benquisto;
E aqui que só temos disto
Em tanto “burguês”!?

“Barões” que compram títulos,
E outros fartas moradias,
Porque deles vinham as famílias
Na forma de discípulos!

Tanto negócio import/export
Do nosso espirito comercial,
Que nada fica em Portugal,
A não ser o dote!!

Ergamos-lhe um epitáfio
No alto do seu mausoléu:
“O povo que já viu o céu
Do seu cenotáfio…”

Ergamos uma esfinge,
Não a João, ao Adamastor,
Porque dele se tev’a dor
Qu’agora nos atinge!!

E escrit’a Mensagem
Na veia do grande poeta,
Se visse com’a maior peta
Da nossa coragem!!

Ou Os Lusíadas de Camões
Com’um engano curricular,
E em tanto verso singular,
Outras tantas desilusões…

Ele que morreu esfaimado
Na “Pátria dos valores egrégios”,
Pr’a se manter em privilégios
Tanto “ilustrado”!!!

E agora essa nobre raça
Desemboca neste grande país,
Qu’assim guarda a sua raiz
Na própria desgraça!

E venha D. Sebastião,
Das brumas para nos salvar!!
Qu’o resto vai daqui cavar
Como emigração!!

Desgraçada nação
Com tantos exemplos áureos,
E sempre os mesmos perdulários
A terem razão???

Não há depósito d’esperança
Pr’a raça que não se governa,
Qu’até o homem da caverna
Tinha maior confiança!!

É vê-los nesses lugares
Sem se perceber o porquê!?
E o país queria-se em quê,
Senão em altares?

Venha de lá a extrema-unção
Qu’eu sou nisto religioso,
E até me confesso zeloso
Nesta confissão!!

Eu creio na Santa Igreja,
E nos santos deste altar,
E sei que tenho que jejuar
Porqu’a alguém sobeja!

E sabendo-os ungidos
Na sabedoria milenar,
Portugal não irá parar
Em tantos séculos perdidos…

Faça-se o monumento!

Joker

mensagem

Do mar que espelhou o céu???

Anúncios

Posted on 20 de Outubro de 2016, in Palhaçadas. Bookmark the permalink. Deixe um comentário.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s