A criação do (Homem)

Quando Deus legou a vida
Fez o Homem por igual,
Por condição natural
À sua razão controvertida…

E da natureza agreste
Veio o Éden por paraíso,
Que Deus não fora mais preciso
Do qu’isto ser mero teste!!

E na falácia criativa
Deus errou na sua sina,
Pois que dessa matéria-prima
Pouco criou mais que vida…

Uma vida sem razão
Que não foss’a sobrevivência,
E daí nascesse a ciência
Da corrupção!!

Pois qu’o Homem, imperfeito,
Mais não vê qu’o seu umbigo,
E no limite o do amigo
A que dá o jeito!!

É assim imemorial
A falácia da razão,
Pois Deus errou na criação,
Trocand’o bem p’lo mal!!

E só assim s’entende este legado,
E por milénios este efeito:
Qu’o homem demorou a pôr-se direito
Pr’a andar curvado!!

Mas quem mais se curva
Na senda desta evolução,
Tem maior valor na criação
Qu’o resto da turba!!

E quem mais se dobra
À vontade reinante,
Vê mais adiante,
E nisto edific’a obra!!

E nunca se tem expulso
P’lo Arcanjo do Senhor,
Porque tem o seu amor
Recluso…

É assim na Terra
Como lá no céu,
E neste mundo breu
Isto é uma guerra!!

E nele o vencedor
É sempre o mais capaz,
O eterno audaz
Como cumpridor!

Envolto em excepções
Tudo se lhe oferece,
E a vid’a acontece
Acima das multidões!!

E pode assim pedir
Trocas sem “despontuar”,
Por nisto colaborar
A abrir!!

Ou ter por excepção
A “causa humanitária”,
E ter como necessária
A estadia em duplicação!!

Mas todos os meses
Porque a guerra assola,
E a ela dá-se a escola
Dos eternos fregueses!!

É só primas-donas
No mundo celeste,
E Deus no seu eterno teste
Tem-se nas lonas…

Pois não acerta
Com a tal virtude,
E a ética, amiúde,
É a boca-aberta!!

Mas não d’espanto,
De conformismo,
Qu’o fatalismo
É sacrossanto!!

Multi-excepções
Como qu’a pedido,
E a tod’o protegido
As bonificações!!

E quem prevalece
Por não se querer igual,
Nisto se dá mal
Porque não a tece!

A essa teia
De relacionamentos,
E outros encantamentos
De Medeia!?

E ali bater
Naquela porta,
E pedir batota
Pr’a se valer!?

E o caminho
Que de si tão gasto,
Tem-se em repasto
De farto toucinho!!

Tão só o porco
Se tem quase humano,
Que pr’a Deus o engano
Foi trocar-lhe o corpo!!

Qu’o porco é a obra
De Deus na perfeição,
Pois que na antinomia da razão
Fez o homem como prova!!…

Joker

porco

Posted on 7 de Outubro de 2016, in Palhaçadas. Bookmark the permalink. Deixe um comentário.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s