A vaidade humana

Tod’o bom malandro
Tem sim cabeça,
Mas sempre tropeça…
Resta saber quando!!

E por inteligente
A malandragem,
Perde na imagem
De se querer à frente!

É a vaidade
Mais qu’a ambição,
Qu’é a sua perdição
Na “actividade”…

Pois qu’o malandro
Mais qu’o dinheiro,
Tem que ter primeiro
Um alto-comando!

E ser reconhecido
Lá como um chefe,
E que tod’o magarefe
Se tenha protegido…

E irem-lhe comer
Ali à mão,
E ele ser um “leão”
No que lhe couber!!

E ter um reino
Onde prospere,
E que nisso opere
Em rápido treino!!

Mas é a soberba,
Essa aparência,
A maior deficiência
Dessa reserva…

Qu’o “líder nato”
Quer reconhecimento,
E pr’a dar sustento
Exige o trato!!

E nessa vaidade
De “vencedor”,
Tod’o adulador
Tem nisso “equidade”…

E na celebração:
“O singrar na vida”,
Tem uma comitiva
Pr’o beijar na mão…

É rei e senhor
Esse bom malandro,
E com tod’o bando
Só lhes sai o melhor!?

E ao bom malandro
Pr’a lh’aumentar a estima,
Tem uma “menina”
Que não lhe dá desmando!

E como casal
Esses bons malandros,
Fazem contrabandos
Pr’a aumentar a moral!

E montam correios
Em tais beija-mão,
E não falta ocasião
E nem lhes faltam meios!!

E o mundo inteiro
Está à sua mercê,
E só quem não vê
O malandro, primeiro?

Sempr’a avançar
Primeiro c’os outros,
Aos destinos marotos
Por quem pode nomear?

Tudo coincidências
Na mesa dum bar,
E quem sai a ganhar
Não falt’às ocorrências!!

Come-se do bom,
Bebe-se do melhor!
E o malandro-mor
Ainda elev’o tom!!

E por impunidade
Em tal sentimento,
Quer ainda um aumento
Da clandestinidade!!

E cria uma seita
Como clientela,
Mas em tal esparrela
Se deita…

É nessa soberba
Qu’os malandros caiem,
Porque se distraem
A montar a mesa…

E em tal vaidade
Pr’a ostentar riqueza,
(qu’o malandro quer realeza)
Sai tudo à claridade!!

E fogem já ratos
Tidos por malandros,
Porqu’os altos-comandos
Andam a bicarbonatos!?

E já ninguém dorme
Em casas corruptas,
E já se fazem apostas
Em quem nisto come!!

E esses “perseguidos”
São uns “coitadinhos”,
Que nos arranjinhos
Nunca foram comidos!!

E agora em linha
Dá-lhes quas’a “breca”,
Porqu’a cueca
Não s’a vê “branquinha”…

E o mal dos malandros
É o seu passado,
Que não pode ser apagado…
E quejandos!!

Joker

pensamentos-sobre-a-vaidade-3

Anúncios

Posted on 13 de Maio de 2016, in Palhaçadas. Bookmark the permalink. Deixe um comentário.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s