O aldrabão

Cá guardo no peito
A voz da lição:
Que um aldrabão
S’apanha com jeito…

Pois tem-se impoluto
Na sua jornada,
E dela achada
Registo não curto

Mostra-se evidente
O corrupto esquema!
Na rota que, plena…
Se serv’ó cliente!

E vai onde indica
Nas vezes que quer!
E volt’a escolher
As vezes que fica!

O destino franco
Tem sol e dinheiro!
E se s’é costumeiro
Abona-se tanto…

E mudando d’ares
Gasta-se esse ganho
Qu’o voo por empenho
Se marca aos pares!

E finda-se o mês
No mesmo destino,
Voltando, ladino!!
A EWR outra vez!?

São idas e voltas
Pr’a si e amigos,
Qu’eles muito antigos,
Têm boas notas!

E lá por Maputo
Viajam pr’a ponta,
Ond’o sol desponta
Como em Bazaruto…

E faz-se estadia
Por férias já pagas,
Escolhendo-se as vagas
Por pura “alegria”!

É isto que sobra
Desse planeado,
Dum voo, que trocado,
É pura manobra…

Tantas evidências
Nesse “compadrio”:
Voando pr’o estio
Não há reticências…

A parte de leão
Pr’a quem o “merece”,
E já s’agradece
Esta operação…

Pr’a uns o resto,
Pr’os outros manjar!
Qu’isto de trabalhar
Tem registo “honesto”…

Que não se refuta
Por tão patente!…
Se verá adiante
Se vale como “escuta”!

Mas sobr’a vista
A acção política,
Que não se desminta
Esta sua “lista”!

De registo “sério”
E conduta impar!
E quem vai limpar
Este “ministério”?

Que de tão corrupto
Já nem tem limpeza!
Pois qu’a “subtileza”
Do negócio ininterrupto

Deixou um vazio
Feito de descrença,
E esta doença
É a ponta do bafio…

Que nisso tresanda
Dum cheiro tão podre…
Que quem o descobre
Como se fosse lavanda

Tem súbito vómito
Nessa podridão!
Pois qu’um aldrabão
Tido por indómito

É tão só o rasto
Da própria peçonha,
Pois não há vergonha
Onde há o repasto!

E nele afocinham
Vários comensais,
Qu’eles são os tais
Que nunca definham!

Já que não há crise
Qu’ali os afecte,
Pois pr’a quem repete
O manjar em “reprise”

Pode estar OK!
Feito pr’a voar…
Pois quem vai pagar
Por cumprir a lei

Vão ser os demais
Já no fim do mês!
Qu’isto de ser freguês
Dos plafonds anuais

Pode dar pr’a tudo,
Vencendo maratonas!?
Ostentando dragonas
Da empresa p’lo mundo!!

E assim viver
Bem desafogado!
E de braço dado
C’o esse “poder”!

Que nos pag’o soldo
Lá no fim do mês…
Diga lá outra vez,
E de grosso modo!?

Vão ser milhões
A título de extra?
Isso é uma amostra
Das nomeações…

Pois qu’a verdade
Se saberá um dia!
E só por “magia”
Virá à claridade…

Joker

Anúncios

Posted on 27 de Outubro de 2015, in AE, Aviação and tagged , , , , , , , , . Bookmark the permalink. Deixe um comentário.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s